O Sudoeste de PortugalUm primeiro olhar

A sua localização estratégica no extremo SW da Europa marca a identidade do Barlavento Algarvio em geral, e da Costa Vicentina em particular. Habitada desde tempos pré-históricos, aqui viveram comunidades de caçadores-recolectores, Fenícios, Gregos, Celtas, Cartagineses e Romanos. A região esteve sob domínio mouro durante 5 séculos, e foi finalmente conquistada pelo cristãos e incluída no Reino de Portugal no séc. XII. Nos anos que se seguiram, as áreas costeiras foram repetidamente saqueadas por piratas, assistiram à partida das primeiras naus nas Descobertas Portuguesas, e foram devastadas pelo grande terramoto. Entretanto, cidades e povoações outrora prósperas, caíram em esquecimento devido ao assoreamento dos seus rios, e consequente decadência da actividade comercial potenciada pela navegação. O Sudoeste de Portugal foi palco de muitas vidas e batalhas, e o seu actual património cultural espelha a riqueza da diversidade de povos que albergou ao longo dos tempos.

Hoje em dia, a zona é conhecida pela maioria como um destino de férias no Verão. As suas magníficas praias rasgadas por falésias imponentes atraem milhares de turistas nos meses mais quentes do ano. No entanto, ao longo das últimas décadas, apesar de em Julho e Agosto algumas povoações costeiras multiplicarem a sua população, todos os anos o Sudoeste abraçava um longo período de latência e esquecimento, com a chegada do mês de Setembro.

Mas esta terra mágica tem muito para oferecer ao longo de todo o ano, e ultimamente o Turismo de Natureza tem contribuído para atenuar esta sazonabilidade. O seu clima ameno e agradável, boas gentes, baixa densidade populacional, património natural e cultural riquíssimo e áreas protegidas, tornam o Sudoeste Português num paraíso para aqueles que procuram um território rico, preservado e tranquilo. A Costa Vicentina (costa Oeste Algarvia, e costa Sul até ao Burgau) é protegida pelo Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, e constitui umas dos últimos troços litorais largamente preservados da costa Sul Europeia.

A sua posição geográfica e ampla diversidade de habitats – que vão desde matos costeiros de características mediterrânicas, pinhais, montados de sobro e antigos pomares naturalizados de figueiras, alfarrobeiras e amendoeiras, até picos rochosos, charcos temporários, lagoas e falésias costeiras – fazem do Sudoeste Português um oásis para aves, flores, borboletas e outros grupos de vida selvagem.
Ao longo do ano, mais de 200 espécies de aves residem, vistam ou passam pela região, tanto em terra como no mar. O Sudoeste alberga mais de 700 espécies de plantas, incluindo mais de 15 espécies de orquídeas selvagens. Algumas destas espécies de flora são endémicas ou ameaçadas, como algumas das presentes no planalto costeiro. É também um local de excelência para borboletas, onde ocorrem mais de 60 espécies deste grupo. Isto para além da diversidade de habitas marinhos, dos quais podemos ter um vislumbre no microcosmos das poças de maré ao longo do litoral rochoso.
Convidamo-lo a fazer um pausa, e observar e sentir os valores naturais deste protegido e especial recanto, uma terra onde o mar e as estações ainda pautam a vida das suas gentes.

O Sudoeste de Portugal


Comments are closed.