14 - Pardela-balear. Nuno Barros

Observação de aves

Em busca da Pardela-balear

19 Abr , 2018  

Trabalhar para a lista de aves é uma desafio, mas pode bem ser uma demanda agradável e saudável, quer se trate de uma lista mundial ou apenas da lista de aves avistadas da janela da cozinha.

Após ter visitado a Islândia, o Reino Unido, Espanha e Marrocos, Butch – um competente birder Americano vindo da Califórnia – contactou-me pois iria estar em Sagres para tentar observar Pardelas-baleares e a sua saída pelágica fora cancelada devido ao mau tempo.

A Pardela-balear apenas nidifica nas ilhas Baleares no Mediterrâneo Espanhol. A sua população global está estimada em cerca de 25.000 indivíduos (Arcos et al. 2012), com um declínio de 90% nas últimas 3 gerações.

É uma espécie com a qual já trabalhei bem de perto e que se pode extinguir durante o meu tempo de vida. As principais ameças são capturas acidentais em artes de pesca (principalmente em redes de cerco), habitat de nidificação restricto, e reduzido sucesso reprodutor – por várias razões desde aqucimento global a sobrepesca.

As Pardelas-baleares começam a ir para as colónias de reprodução em Setembro, e os juvenis saiem em Junho. Durante o Verão, durante o seu curto período não-reprodutor, as águas costeiras de Portugal Continental são albergam a mairoa da população mundial da espécie, que aqui se concentra para efectuar a muda da plumagem e se alimentar de pequenos peixes pelágicos como a sardinha.

Por isso agora em meados de Abril, apenas algumas aves não-reprodutoras ficam por cá. Era uma viagem imprevisível, mas com algumas probabilidades de sucesso. Com um vento Norte bem fresco, sentámo-nos no Cabo S. Vicente e esperámos.

Bastantes Alcatrazes estavam ainda a passar para Norte, assim como algumas Gaivotas-de-cabeça-preta. E fainalmente depois de mais de 2 horas… “Duas baleares para Norte!” Sim, conseguimos uma breve mas boa observação. O objectivo estava concretizado, era a última espécie-alvo da viagem do Butch.

Ainda ouve tempo para um pequeno devio para tirar fotografias a um Mocho-Galego meio adormecido, e ver uma Alvéloa-amarela – um migrador recém chegado de África.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Tours Birdland

Observação de Aves

Barlavento Algarvio

Saber mais

Turismo de Natureza

A Birdland é uma empresa de turismo licenciada
(RNAAT 569/2014)